Evangelho do dia › 19/07/2018

5ª-feira da 15ª Semana do Tempo Comum

O Senhor nos olha do alto céu, aplainando nosso caminhar rumo ao futuro de paz e de vida e fazendo-nos abandonar os fardos pesados e inúteis.

Primeira Leitura: Isaías 26,7-9.12.16-19

Leitura do livro do profeta Isaías – 7O caminho do justo é reto, e tu ainda aplainas a estrada ao justo. 8Sim, no caminho dos teus juízos esperamos em ti, Senhor; para o teu nome e para a tua memória volta-se o nosso desejo. 9Quando vem a noite, anseia por ti a minha alma e, com a força do espírito, te procuro no meu íntimo. Quando brilharem na terra teus juízos, os habitantes do mundo aprenderão a ser justos. 12Senhor, hás de dar-nos a paz, como nos deste a mão em nossos trabalhos. 16Senhor, eles a ti recorreram na angústia; exageraram na superstição, e veio-lhes o teu castigo. 17Como a mulher grávida, ao aproximar-se o parto, geme e chora em suas dores, assim nós, Senhor, em tua presença. 18Concebemos e sofremos dores de parto, e o que geramos foi vento. Não demos à terra frutos de salvação, não fizemos nascer habitantes para o mundo. 19Reviverão os teus mortos e se levantarão também os meus mortos. Despertai, cantai louvores, vós que jazeis no pó! Senhor, é orvalho de luz o teu orvalho, e a terra trará à luz os falecidos. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 101(102)

O Senhor olhou a terra do alto céu.

Vós, Senhor, permaneceis eternamente, / de geração em geração sereis lembrado! / Levantai-vos, tende pena de Sião, / já é tempo de mostrar misericórdia! / Pois vossos servos têm amor aos seus escombros / e sentem compaixão de sua ruína. – R.
As nações respeitarão o vosso nome, / e os reis de toda a terra, a vossa glória; / quando o Senhor reconstruir Jerusalém / e aparecer com gloriosa majestade, / ele ouvirá a oração dos oprimidos / e não desprezará a sua prece. – R.
Para as futuras gerações se escreva isto, / e um povo novo a ser criado louve a Deus. / Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, / e o Senhor olhou a terra do alto céu, / para os gemidos dos cativos escutar / e da morte libertar os condenados. – R.

Evangelho: Mateus 11,28-30

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e disse: 28“Vinde a mim, todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Sentimentos e expressões de extremo conforto para a humanidade sufocada, entristecida e desorientada. Nascem do coração do Mestre, sensível às necessidades materiais e espirituais do povo. Não é a primeira vez que Jesus manifesta compaixão pela multidão faminta de pão, luz e amor: “As multidões… estavam angustiadas e abandonadas, como ovelhas que não têm pastor” (Mt 9,36). Os chefes do povo, ao invés, longe de criarem oportunidades de progresso e vida digna para a população, sugam dela impiedosamente seus recursos de sobrevivência. Não assim Jesus. Sua carga é leve. Uma questão, sobretudo para os que exercem algum tipo de liderança, inclusive os pais de família: Não estamos talvez impondo exigências insuportáveis aos semelhantes? Criamos condições para viverem digna e alegremente?

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)